NATURE: Analisando a Terra: a ciência por trás do próximo relatório climático do IPCC

A primeira avaliação do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas em oito anos soará o alarme sobre as temperaturas elevadas, o aumento dos mares e o clima extremo.

A woman carrying a child and belongings on her back wades through floodwaters in a city in China
Fortes chuvas causaram inundações sem precedentes em Zhengzhou, província de Henan, China, em julho.Crédito: Aly Song/Reuters/Alamy

As Nações Unidas estão prontas para divulgar a avaliação mais confiante e abrangente ainda do aquecimento global, incluindo estimativas detalhadas de como as emissões contínuas de gases de efeito estufa aumentarão o nível do mar da Terra e impulsionarão o clima extremo nos próximos anos. Compilado por mais de 200 cientistas e aprovado por representantes do governo de 195 países, o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) deixará poucas dúvidas de que os seres humanos estão alterando a forma como o planeta funciona — e que as coisas ficarão muito piores se os governos não tomarem medidas drásticas, dizem pesquisadores climáticos entrevistados pela Nature.

Muitos esperam que o relatório, que abrange os últimos avanços da ciência climática, galvanize a ação na cúpula climática da ONU em Glasgow, Reino Unido, em novembro, onde os líderes mundiais assumirão novos compromissos para conter as emissões de gases de efeito estufa. Os cientistas dizem que, com base nas políticas atuais, os governos não cumprirão as metas estabelecidas no acordo climático de Paris de 2015 para limitar o aquecimento global a 1,5-2 °C acima dos níveis pré-industriais.

As duras verdades das mudanças climáticas — pelos números

“Este relatório deixará absolutamente claro qual é o estado da ciência e jogará a bola de volta no campo dos governos para agir”, diz Corinne Le Quéré, cientista climática da Universidade de East Anglia, em Norwich, Reino Unido.

É o primeiro de um trio de relatórios que comporá a sexta grande avaliação climática do IPCC desde 1990: um segundo relatório, sobre impactos climáticos e adaptação, e um terceiro, sobre os esforços de mitigação, seguirá no próximo ano. Antecipando a divulgação do primeiro relatório na próxima semana, a Nature  antecipa o que os pesquisadores dizem ser alguns dos avanços mais significativos na ciência climática realizados desde a última avaliação do IPCC, há oito anos.

Alta confiança, modelos quentes

Após várias décadas de pesquisa, os cientistas climáticos não têm dúvidas de que as emissões de gases de efeito estufa fazem com que as temperaturas globais aumentem. As concentrações desses gases aumentaram cerca de 50% desde os tempos pré-industriais, e o planeta aqueceu mais de 1 °C (ver ‘Mundos mais quentes’). Segundo algumas estimativas, o mundo está no caminho certo para quase 3 °C de aquecimento, a menos que os governos façam mais para conter essas emissões.

Pesquisadores ficaram mais confiantes em projeções como a ciência climática avançou — um ponto que o relatório do IPCC enfatizará. Uma maneira pela qual os cientistas avaliaram suas projeções climáticas é através de uma métrica conhecida como sensibilidade climática. Esta é uma medida do aquecimento projetado a longo prazo que ocorreria se os níveis de dióxido de carbono atmosférico (CO2)do planeta dobrassem em comparação com osníveis pré-industriais. Apesar dos avanços na compreensão e no poder computacional, as estimativas de sensibilidade climática estão em torno de 1,5-4,5 °C desde a década de 1970. Os esforços recentes para diminuir esse alcance aumentaram significativamente a confiança dos cientistas em projeções de quão rapidamente o mundo pode aquecer nas próximas décadas.

Warmer worlds: Chart showing range of projected changes in global temperature up to the year 2100.

Fonte: Zeke Hausfather/Modelo Acoplado Intercomparison Projeto Fase 6

Em um estudo publicado em julho de 20201, por exemplo, uma equipe de pesquisadores desafiou modelos climáticos com múltiplas linhas de evidência, incluindo registros climáticos contemporâneos e evidências de climas antigos. Eles determinaram uma provável sensibilidade climática de 2,6-3,9 °C.

“Parece um pouco esotérico, mas seria realmente um grande negócio se o IPCC reduzisse a amplitude da sensibilidade climática”, diz Zeke Hausfather, coautor do estudo e cientista climático do Instituto Breakthrough em Oakland, Califórnia. Estreitar o alcance ajudaria a restringir modelos e melhorar as projeções futuras.

Mas Hausfather é rápido em notar que muitos dos modelos climáticos mais recentes – incluindo os de grandes centros de modelagem nos Estados Unidos e no Reino Unido – estão projetando um aquecimento bem acima até mesmo das estimativas anteriores de sensibilidade climática. Cerca de um terço dos cerca de 40 modelos que executaram testes de sensibilidade climática prevêem mais de 4,5 °C de aquecimento se os níveis de CO2  dobrarem, intrigantes cientistas que consideram tais níveis extremos de aquecimento implausíveis dadas outras linhas de evidência.

IPCC diz que limitar o aquecimento global a 1,5 °C exigirá medidas drásticas

Os cientistas ainda estão descobrindo precisamente por que os modelos estão quentes, mas algumas pesquisas sugerem que parte da resposta pode ser o uso de novas representações sofisticadas de microfísica de nuvens e partículas minúsculas na atmosfera chamadas aerossóis. Por exemplo, modelos anteriores apresentavam nuvens irrealistas que consistiam em muito gelo, que se transformaria em água à medida que o globo se aquecia. Isso produziu um efeito de resfriamento porque as nuvens à base de água refletem mais energia solar de volta ao espaço. Os modelos mais recentes começam com nuvens mais realistas que têm mais água, o que reduz o efeito de resfriamento ao longo do tempo.

Mas isso é apenas uma parte de uma equação maior que os cientistas climáticos ainda estão trabalhando, diz Gavin Schmidt, que lidera a equipe de modelagem do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da NASA em Nova York. Alguns modelos que correm quente podem precisar ser menos ponderados ao calcular métricas como a sensibilidade climática, diz Schmidt. Mas eles ainda poderiam fornecer previsões úteis para variáveis climáticas, como padrões de precipitação, acrescenta.

Ao interpretar as últimas projeções climáticas, o IPCC deve reconhecer que os cientistas estão apenas começando a se aprofundar nessas questões, diz Schmidt.

Marés altas

O mundo teve uma prévia de como o nível do mar da Terra pode subir quando o IPCC divulgou um relatório especial em 2019. A ciência que apresentou, que sem dúvida será incluída na liberação da próxima semana, dizem especialistas, apontou para o aumento médio do nível médio do mar global entre 0,3 metros e 1,1 metro até 2100, dependendo das emissões de gases de efeito estufa. Isso é apenas um pouco maior do que as projeções anteriores, mas o relatório também citou estudos recentes que analisam as opiniões de especialistas da área, que declararam que um aumento de 2 metros não pode ser descartado. Tal mudança extrema poderia deslocar dezenas de milhões de pessoas de suas casas em regiões baixas.

A elevação do nível do mar é difícil porque depende de questões complexas sobre se as camadas de gelo na Groenlândia e na Antártida entrarão em colapso — e, se for o caso, quão rápido. Os cientistas fizeram progressos notáveis, no entanto, em entender como as marés crescentes poderiam afetar as comunidades em uma escala local e regional, em vez de apenas uma escala global desde a última grande avaliação climática do IPCC em 2013. Isso é importante porque diferentes cidades, países e regiões experimentarão o aumento do nível do mar de maneiras muito diferentes, diz Michael Oppenheimer, cientista climático da Universidade de Princeton, em Nova Jersey, autor do relatório especial do IPCC.

Por exemplo, as camadas de gelo na Groenlândia e na Antártida são tão grandes que exercem um efeito gravitacional que faz com que os oceanos inchem ao seu redor. Quando parte do gelo derrete, o inchaço local diminui e a água se redistribui em outros lugares, como no nordeste dos Estados Unidos — levando ao aumento do nível do mar lá.

“É a primeira vez que o IPCC faz uma análise abrangente de todos esses efeitos locais e regionais”, diz Oppenheimer. A informação é importante, diz ele, porque mesmo aumentos aparentemente pequenos no nível do mar local podem ter impactos significativos — particularmente nas inundações durante tempestades. Em muitas áreas ao redor do mundo, Oppenheimer acrescenta que inundações únicas em um século se tornarão eventos anuais até o final do século, mesmo sob os cenários climáticos mais otimistas.

A atribuição dos extremos

O relatório do IPCC da próxima semana vem na esteira de inundações épicas na Alemanha, em julho, e uma onda de calor de junho que assou o Noroeste dos EUA e o oeste do Canadá, onde a cidade de Lytton registrou uma temperatura recorde de 49,6 °C antes que um incêndio quase o arrasou. Pouco depois, os cientistas climáticos avaliaram  a onda de calor e concluíram que o aquecimento global era quase certamente um motor, e aumentaram a probabilidade de tal evento em um fator de 150 desde o final do século XIX.

A firefighting aeroplane tanker flies over a forest fire in Oregon, dropping a cloud of red powder fire retardant
Incêndios florestais estão se tornando mais frequentes em Oregon e outras partes do Noroeste do Pacífico.Crédito: Departamento de Florestas de Oregon/AP/Shutterstock

Há pouco mais de uma década, os cientistas tendiam a demur quando perguntados sobre a ligação entre o aquecimento global e qualquer evento climático extremo, exceto para dizer que deveríamos esperar mais deles à medida que o clima esquenta. Mas a ciência da atribuição climática avançou consideravelmente nos últimos anos, diz Sonia Seneviratne, cientista climática do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique. Assim, embora a análise recente de ondas de calor não seja incluída no novo relatório do IPCC porque não foi publicada a tempo, existe um conjunto substancial de pesquisas sobre clima extremo para o IPCC avaliar, diz Seneviratne.

Duas coisas aconteceram para impulsionar essa mudança. A primeira é que os cientistas climáticos desenvolveram modelos e métodos estatísticos aprimorados  para determinar a probabilidade de que qualquer evento climático possa ocorrer, com ou sem mudanças climáticas induzidas pelo homem. Mas, assim como importante, diz Seneviratne, a mudança climática em si está avançando, e estudos recentes mostram que eventos climáticos cada vez mais extremos estão agora emergindo acima do ruído da variabilidade natural.

Ou, nas palavras de Le Quéré, agora podemos ver os impactos do aquecimento global “com nossos próprios olhos”.

https://www.nature.com/articles/d41586-021-02150-0

Outro artigo da renomada Nature.

Prof Luciano Mannarino



Categorias:ATIVIDADES, Clima, Geopolítica, Questão Ambiental, TEXTOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: