Mas e amanhã?

“Convivemos todo dia com a violência. Hoje foi com a minha filha.  Mas e amanhã?”

(O DIA) 11/05/2016 13:31:25 – Atualizada às 11/05/2016 15:03:04

Palavras de Jane Klea Gonçalves dos Santos ao saber que sua filha passa bem depois de ser baleada na estação de trem em Bangu.

O tiro que tirou a vida da jovem na linha amarela num arrastão, ou o que matou uma adolescente numa troca de tiros entre bandidos no morro do juramento…dentre tantos  vem nos desafiando a cada dia. O que fazemos?

Ficamos indignados, mas no entanto, respiramos aliviados (por não ter sido com um parente ou um amigo próximo)  e  tratamos isso como uma fatalidade!!!

– Você só não pode estar no lugar errado na hora errada. Diz um amigo policial.

Ora, o ” lugar e horas erradas” são  dimensões do espaço/tempo onde o fio da vida encontra seus momentos mais dolorosos: Um piano de uma mudança despencar na sua cabeça, ser atropelado por uma bicicleta considero fatalidades…

NO ENTANTO, LEVAR  UM TIRO DE FUZIL DE ADOLESCENTE DROGADO NÃO É UMA FATALIDADE!!!

Por mais que  se diga  algo nessa hora, o verdadeiro sofrimento, será apenas dos parentes e amigos próximos de quem foi submetido a uma  “fatalidade”. Enquanto isso o tambor da arma dessa roleta russa, que se tornou nossa realidade,  gira mais uma vez.

Pena é que estamos tão próximos, só na Cidade do Rio de Janeiro são mais de 5000 habitantes por km (quadrado), no entanto, sofremos de maneira isolada, porém permanente.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s