Desenvolvimento Desigual e Combinado.

                  Podemos compreender o Desenvolvimento Desigual  e Combinado como uma lei cuja preocupação central é explicar a formação obrigatória, no âmbito do sistema capitalista e sob a égide do Imperialismo, de áreas periféricas e atrasadas em contraponto a áreas desenvolvidas, Mas, a partir dos esforços intelectuais de alguns geógrafos, é empreendida uma tentativa teórico-metodológica de captar a espacialidade do desenvolvimento desigual, ou seja, fazer uma leitura geográfica do Desenvolvimento Desigual e Combinado (THEIS; BUTSKE, 2009).

                  Podemos afirmar que a leitura que a ciência geográfica realiza, a partir da teoria do Desenvolvimento Geográfico Desigual e combinado, é a interpretação  espacial das diferenças econômicas do capitalismo nas mais diferentes escalas. O que autores como Neil Smith e David Harvey propõem é que não basta compreender historicamente as diferenças econômicas e sociais do mundo: há por detrás deste abismo entre desenvolvimento e subdesenvolvimento uma razão geográfica, isto é, é necessário para a reprodução do sistema capitalista que existam diferenças econômicas, políticas e sociais expressas no território, isto é, que sempre existam áreas menos desenvolvidas em detrimento de outras mais avançadas. Enfim, o que seria dos países centrais se não existissem países periféricos? O desenvolvimento desigual é a expressão geográfica das contradições do capital (SMITH, 1988, p. 217).

                 Assim, o Desenvolvimento Geográfico Desigual e Combinado é uma necessidade para o capital. E necessário que existam campo e cidade para que os setores da economia se mostrem produtivos — o campo produz a matéria-prima, enquanto a cidade a transforma em mercadorias e depois as comercializa. E necessário que em qualquer cidade haja centro para que exista periferia, pois existem especializações comuns destas áreas, com seus diferentes produtos e serviços, e os trabalhadores das periferias funcionam como exército industrial de reserva, por exemplo, porque, de acordo com as necessidades do centro, podem ou não estar empregados.

          E, fundamentalmente, é uma exigência do capitalismo, em âmbito mundial, que existam países centrais e países periféricos. O conjunto formado pelos países centrais exerce a liderança política, o domínio econômico e espraia a sua cultura dominante. E os países periféricos se adaptam às necessidades dos países centrais: fornecem matérias-primas, que vão desde o abastecimento de alimentos até os combustíveis fósseis; oferecem a segurança de um extenso mercado consumidor, que vai seletivamente sendo apropriado; lutam para que tenham em seus territórios filiais de grandes fábricas instaladas, quando estas, na verdade, encontrarão mão de obra abundante e taxas de impostos reduzidos…”

Fundamentos Geográficos do Turismo. v3/Gilmar Mascaranhas, Daniella Pereira de Souza Silva, Luiz Guilherme de Souza  Xavier – RJ: CECIERJ.

Questões – Ensino Médio – Noite

  1. Segundo a teoria, qual seria o papel dos seguintes países na lógica do sistema capitalista?
  • EUA
  • Angola

2. O que buscam as transnacionais nos países periféricos?

3. O “desigual e combinado” se reproduz em várias escalas e dimensões. Exemplifique usando a espacialidade do território brasileiro.

4. “O desenvolvimento desigual é a expressão geográfica das contradições do capital”. É possível romper essas contradições? Aponte caminhos.

5. O domínio econômico precisa da domínio cultural para se impor?  Justifique.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s