Estudantes puxam mobilização pelo clima (avaliação)

Greve global quer chamar a atenção para as emergências climáticas

Elas fazem parte das mobilizações planejadas pelo mundo durante toda a semana de 20 a 27 de setembro, a mesma em que ocorre a Cúpula do Clima da ONU (na segunda, 23), e a Assembleia Geral da ONU, que começa na quarta (25).

O movimento dos estudantes inspirou também iniciativas dos pais, como o #ParentsForFuture, aqui no Brasil #FamiliasPeloClima, para dar apoio aos filhos, sobrinhos, netos, amigos e todos jovens e crianças que começaram a aderir às greves e precisavam de interlocutores com as suas escolas, professores, governantes, cientistas, pensadores e mídia.

Segundo cálculos do grupo dos pais, a mobilização pelo clima já levou às ruas mais de 2 milhões de crianças de mais de 300 cidades. A partir das 13h, haverá uma aula pública sobre mudanças climáticas com professores da USP, Unicamp e Universidade Federal do ABC. Às 16h tem início a concentração para o ato. 

Um financiamento coletivo é feito para garantir a vinda de participantes de povos indígenas, confecção de faixas, cartazes e panfletos, lanches e água para os estudantes —crianças e jovens— aluguel de aparelho de som e o trabalho de catadores de materiais recicláveis.

Na próxima sexta-feira, 27, está marcada uma audiência pública com a Prefeitura de São Paulo para discutir quais são as medidas já programadas e as políticas públicas para mitigar os efeitos da emergência climática.

Todas essas manifestações são apoiadas pelo Coalizão pelo Clima, uma articulação suprapartidária composta por mais de 30 entidades e ativistas que lutam contra o colapso climático.

Segundo a Coalizão, a mobilização é resposta aos ataques que o governo Bolsonaro lançou contra os povos originários, a Amazônia, o cerrado e a agroecologia.

Em seu manifesto, a Coalizão defende que o governo brasileiro:

Neutralize as emissões de carbono até 2030 , crie políticas públicas de promoção do reflorestamento e investimentos em energias renováveis, cumpra o compromisso de Estado assumido no Acordo de Paris de reflorestar 12 milhões de hectares até 2025;

Mobilize mais recursos para pesquisa e implementação de iniciativas e soluções voltadas para ações climáticas;

Amplie a educação sobre meio ambiente e sustentabilidade nas escolas, universidades e comunidades;

Cobre grandes devedores do governo no setor empresarial —agronegócio, pecuária, bancos, igrejas, indústrias— para formar um fundo de combate às mudanças climáticas;

Institua um conselho de combate às mudanças climáticas composto de forma paritária pela sociedade civil, comunidade científica, organizações não-governamentais e seus representantes.

 

Mara Gama

Jornalista e consultora de qualidade de texto.

 

 

Questões

1. Explique a iniciativa de trazer povos indígenas para o evento?

2. O que significa a expressão “emergência climática”?

3. O que é Agroecologia? De que forma ela pode se torna um aliado no debate  do aquecimento global?

4. Qual a importância do poder público na diminuição dos efeitos da emergência climática?

5. Quais são as bases do Acordo de Paris e por que nosso país tem destaque nesse debate?

6. Aponte medidas para  “neutralizar as emissões de carbono”?

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s