NATURE: Sismômetros domésticos fornecem dados cruciais sobre o terremoto do Haiti

Uma rede de voluntários ajuda a monitorar choques posteriores e a iluminar os riscos de terremotos no país.

A child rides a bike on the road in front of a church that has been demolished by an earthquake in Chardonnieres, Haiti.
O terremoto no Haiti este mês destruiu muitos edifícios, como a Igreja Santa Ana em Chardonnières, mostrada aqui. Crédito: Reginald Louissaint Jr/AFP via Getty

Uma rede de sismômetros baratos, instalados em salas de estar, jardins e locais de trabalho em todo o Haiti, está ajudando os cientistas a desvendar o funcionamento interno do terremoto de magnitude 7,2 que devastou a parte sudoeste da nação caribenha este mês. O esforço de ciência comunitária foi lançado após o último grande terremoto do país — um tremor de magnitude 7 em 2010 que matou mais de 100.000 pessoas — e desde então ajudou a revelar detalhes sobre a atividade sísmica do Haiti.

Em um país cujas estações oficiais de monitoramento sísmico às vezes estão offline por causa de recursos limitados, o projeto de sismologia comunitária fornece dados muito necessários. Neste momento, a rede está detectando choques posteriores que continuam a chacoalhar a região. Seus sismômetros alimentam dados em um sistema que exibe as localizações e magnitudes dos terremotos haitianos em um portal baseado na Web em tempo real.

“Não são equipamentos profissionais, e há muitas limitações”, diz Dominique Boisson, geóloga da Universidade Estadual do Haiti em Porto Príncipe, que ajuda a administrar a rede. Mas “alguns resultados são muito bons”.

Trabalho difícil

Tracking Haitian Tremors. Map showing the locations of seismometers in Haiti.
Fonte da publicação: C.S. Prentice et al. Natural Geosci. 3, 789-793 (2010)/Ayiti-Terremotos

A rede ressalta o quão longe a sismologia no Haiti chegou em 11 anos. Quando o terremoto de 2010 atingiu perto de Porto Príncipe, o país não tinha sismólogos e apenas uma estação oficial de monitoramento sísmico, diz Boisson. Agora, há vários sismólogos profissionais,além de 7 estações na rede nacional oficial, que é operada pelo Bureau of Mines and Energy do Haiti, e 15 na rede de ciência comunitária.

Poucos dias após o grande terremoto de 14 de agosto, equipes de cientistas e técnicos estavam dirigindo em direção ao seu epicentro, carregando sismômetros e outros instrumentos para medir como o solo estava se movendo. Monitorar a Terra com instrumentos científicos imediatamente após um terremoto permite que os pesquisadores entendam melhor por que o terremoto ocorreu e o risco sísmico futuro. Em 2010, levou semanas após o terremoto para pesquisadores estrangeiros voarem para o Haiti e implantarem instrumentos.

Este ano, muitas dessas equipes estrangeiras estão proibidas de viajar para o Haiti por causa das restrições do COVID-19 e da instabilidade política após o assassinato em julho do presidente do Haiti, Jovenel Moïse. Em vez disso, o trabalho está sendo liderado por sismólogos haitianos, como Steeve Symithe, também da Universidade Estadual, que, antes de entrar em campo, estava transmitindo apresentações no Facebook Live sobre a ciência do terremoto para o público haitiano.

Os tremores de 2010 e 2021 aconteceram na zona de falha do Jardim Enriquillo-Plantain, um emaranhado de fraturas na crosta terrestre onde as placas tectônicas norte-americanas e caribenhas deslizam umas pelas outras. Ele vai de oeste a leste ao longo da península sul do Haiti. O terremoto de 2010 ocorreu por uma falha até então desconhecida naquela zona. O epicentro do terremoto de 2021 fica a cerca de 100 quilômetros a oeste, na província de Nippes.

Pelo menos 2.100 pessoas morreram no terremoto de 14 de agosto, embora a contagem total ainda não tenha sido contabilizada. O Serviço Geológico dos EUA estima que pode ter havido mais de 10.000 mortes. Muitos sobreviventes suportaram ventos fortes e chuva de uma tempestade tropical enquanto tentavam se abrigar do lado de fora. Os cientistas a caminho da área passaram a noite em seus carros enquanto a chuva caía, amolecendo o chão e gerando deslizamentos de terra à medida que os choques posteriores sacudiam o chão, diz Boisson à Nature. “Foi muito difícil” para eles, diz ele.

Sismologia DIY

O desafio de fazer trabalho de campo no Haiti ajudou a inspirar a criação do projeto de sismologia comunitária em 2019. Foi quando Eric Calais, um sismólogo da École Normale Supérieure, em Paris, que estuda os terremotos do Haiti há anos, aconteceu em uma empresa que vende estações sísmicas para hobbyists. Procurando maneiras de contornar os dados intermitentes da rede nacional haitiana, ele usou o dinheiro sobrando de uma bolsa para comprar algumas estações. Conhecidos como Shakes de Framboesa, eles contêm pequenos acelerômetros que detectam quando o chão treme e enviam essas informações para serem processadas e misturadas com as de outras estações.

Mapas de risco de terremotos apontam as áreas mais vulneráveis do mundo

Essas estações de US$ 500 não são tão sofisticadas quanto as estações de monitoramento oficiais do Haiti de US$ 50.000. “Mas quando se trata de localizar tremores, determinar magnitude, fazer sismologia básica — eles são realmente excelentes”, diz Calais. E por estarem nas casas e locais de trabalho das pessoas, elas têm mais frequência uma fonte constante de energia e acesso confiável à Internet. A equipe, que inclui Calais, Boisson, Symithe e muitos outros, recrutou pessoas para sediar as estações. Boisson tinha um em seu jardim até a semana passada, quando o desmontou para aproximá-lo do epicentro do terremoto de 14 de agosto. O anfitrião que tinha o Shake de Framboesa mais próximo do epicentro ficou descontente por sua estação estar offline durante o terremoto; ele imediatamente correu para fora e cobriu seu plano de Internet, diz Calais, e a estação logo voltou a funcionar.

Financiados por apoiadores internacionais, Calais e seus colegas mantiveram a rede de 15 estações em funcionamento por dois anos; eles pretendem em breve aumentar para 50 ou mais estações. As redes de sismologia comunitária surgiram em outros lugares do mundo, mas a rede haitiana é única no fornecimento de dados em uma área onde poucos dados sísmicos são coletados de outra forma, diz Calais.

Os dados de sismologia da comunidade haitiana alimentam um sistema experimental nacional chamado Ayiti-Séismes, que está hospedado em um site administrado pela Universidade Côte d’Azur em Nice, França. Ayiti-Séismes também retira dados de estações sísmicas oficiais no Haiti, bem como de países próximos, incluindo República Dominicana e Cuba. O resultado é um mapa em tempo real de choques posteriores cobrindo o sudoeste do Haiti em tons de vermelho e laranja. “A rede está viva e bem”, diz Susan Hough, sismóloga do Serviço Geológico dos EUA em Pasadena, Califórnia, que trabalha no Haiti há muitos anos, inclusive após o terremoto de 2010.

Risco futuro

O epicentro do terremoto é bastante próximo de terremotos ocorridos em 1952 e 1953, que provavelmente estavam entre magnitude 5 e 6, diz Calais. Em termos de risco futuro, a zona de falha do Jardim Enriquillo-Plantain ainda pode produzir outro grande terremoto. “Nesta área, não podemos dizer que acabou”, diz Boisson. Alguns especulam que o terremoto de 2010 contribuiu para o recente, transferindo o estresse para a região que acabou de se romper — e que o risco sísmico permanece alto em Porto Príncipe e em grande parte da zona de falha do Jardim Enriquillo-Plantain.

Inteligência artificial prega previsões de terremotos pós-choques

Boisson observa que muitos cientistas têm se preocupado com uma região geológica diferente no norte do Haiti, conhecida como zona de falha septentrional; desencadeou um grande terremoto em 1842. “Depois de 2010, pensamos que seria essa falha” que causaria terremotos futuros, diz ele. “E então foi no sul novamente.”

Cerca de 600 choques posteriores foram detectados do terremoto de 14 de agosto até agora — em comparação com cerca de 10 no mesmo período após o terremoto de 2010, embora houvesse, sem dúvida, mais que não foram detectados, diz Calais. “Agora temos informações muito fortes sobre não apenas onde ocorreu o terremoto [de 14 de agosto], mas também quão grande foi a ruptura, em que direção a falha estava mergulhando”, acrescenta. “Isso é essencial” para entender por que o terremoto ocorreu e o que esperar no futuro.

https://doi.org/10.1038/d41586-021-02279-y

Referências

Calais, E. et al. Front. Earth Sci. https://doi.org/10.3389/feart.2020.542654 (2020).

Questão

1 O que é o epicentro de um abalo sísmico e por que o texto destaca sua importância?

Prof Luciano Mannarino

TIPOS DE ROCHAS E CICLO DAS ROCHAS (vídeo e atividades)

O que é a Crosta Terrestre?

Tipos de Rochas (formação)

3 comentários

  1. Professor, meu nome é Andreia. Sou professora de Geografia no Tocantins. Fiquei encantada com seu blog. Tão legal vermos nossos colegas de área fazendo a diferença nas escolas públicas. Parabéns!

    Curtir

Deixe uma resposta para ANDREIA CRISTINA LUCINI Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s