Homenagem a roqueiro soviético e fala de Gorbatchov sobre Belarus remetem aos anos 1990

Banda Kino, que simboliza a era da perestroika, vai se reunir 30 anos após morte de seu líder

2.out.2020 às 22h00

O vídeo preencheu a tela do computador. Ecoaram guitarras e sons do rock da perestroika. O clipe notificava o adiamento, para 2021, do show com o reencontro de remanescentes da banda Kino, cerca de 30 anos após a morte de seu líder, Viktor Tsoi.

Motivo da mudança na agenda: a pandemia.

Criada em 1982, a roqueira Kino (cinema, em russo) simboliza a era das reformas de Mikhail Gorbatchov. A morte precoce de Tsoi, em acidente automobilístico, ceifou produção musical responsável por refletir, com precisão artística, angústias e dificuldades da população soviética.

Turistas tiram foto em frente à imagem de Viktor Tsoi em um muro de Moscou
Turistas tiram foto em frente à imagem de Viktor Tsoi em um muro de Moscou – Alexander Nemenov-17.ago.20/AFP


As últimas semanas me ofereceram alusões aos anos 1980 e 1990, talhados pela queda do Muro de Berlim, pelo fim da Guerra Fria e pela desintegração da URSS. Lembrei-me de Tsoi e ouvi Gorbatchov.

Após chegar ao Kremlin, em 1985, Gorbatchov deslanchou reformas batizadas de glasnost, para o campo político, e de perestroika, arquitetada para revitalizar a moribunda economia planificada.

As iniciativas carregavam o objetivo de modernizar e salvar o partido comunista, mas fracassaram. Escancararam a inviabilidade do sistema, aprofundaram a crise econômica e aceleraram o desmonte do regime.

Gorbatchov, embora malsucedido na estratégia doméstica, gravou seu nome de maneira indelével na história do século 20, ao garantir o fim da Guerra Fria e ao defender a cooperação global. Foi agraciado com o Nobel da Paz, em 1990.

Do alto de seus 89 anos, o pai da glasnost se pronunciou recentemente sobre a crise na Belarus, ex-república soviética onde manifestações exigem a renúncia do ditador Aleksandr Lukachenko. Gorbatchov sinalizou apoio aos atos pró-democracia e pediu uma solução interna, sem ingerência estrangeira.

Testemunha do fim da divisão geopolítica do continente europeu nos anos 1980, Gorbatchov advertiu sobre os riscos de a crise bielorrussa corroer ainda mais as relações entre a Rússia, fiadora de Lukashenko, e a União Europeia, interessada na mudança de regime em Minsk.

A opinião de Gorbatchov e sons do grupo Kino se mesclaram em minha mente. A música “Peremen” (mudanças, em russo), composta e celebrizada pelo vocalista Viktor Tsoi, transformou-se em trilha sonora de atos pró-democracia na Belarus, repetindo tradição iniciada há cerca de três décadas, após o surgimento da principal banda da história do rock soviético.

A contestação embalou a carreira de Tsoi. Rotulado pela ortodoxia vermelha como “movimento contrarrevolucionário”, o rock na era Gorbatchov canalizava a indignação dos jovens com o pântano burocrático e autoritário do decrépito sistema soviético.

50 dias de protesto na Belarus

Manifestante usa máscara da principal candidata de oposição a Lukachenko na eleição presidencial, que ocorreu em agosto
Manifestante usa máscara da principal candidata de oposição a Lukachenko na eleição presidencial, que ocorreu em agosto Tut.by/AFP/

Em 1987, o cinema oficial da perestroika lançou “Assa”, retrato da debacle soviética. A cena final é antológica. Nela, Tsoi conversa com a funcionária de um restaurante estatal responsável pelos trâmites para sua apresentação noturna aos comensais.

A burocrata, em clássico estilo dos tempos brejnevistas, atormenta o imberbe cantor com pedidos de certificados e autorizações. Tsoi perde a paciência, deixa a interlocutora falando sozinha e junta-se à banda, para entoar, num cântico às reformas, “Peremen”. Sobem então os letreiros finais.

A canção voltou à política em 1991, quando comunistas ortodoxos, num golpe de Estado fracassado, tentaram eliminar a perestroika. Adversários do golpismo usavam alto-falantes no centro de Moscou para espalhar acordes de “Peremen”.

Tsoi, no entanto, não testemunhou aquele momento. Havia morrido em 15 de agosto de 1990.

O filho, Alexander, planejava reunir, em 2020, os remanescentes da banda. Mas as mensagens do inconformismo de Tsoi voltarão aos palcos apenas no próximo ano.Jaime Spitzcovsky

Jornalista, foi correspondente da Folha em Moscou e Pequim.

Questão

1. Qual foi o contexto político da criação música “Peremen” da Banda Kino e por que hoje ela se torna a “trilha sonora de atos pró-democracia na Belarus”?

2. O que seriam “tempos brejnevistas” e como eles se relacionam com a Glasnost e a perestroika?

3. Por que “Gorbatchov, embora malsucedido na estratégia doméstica, gravou seu nome de maneira indelével na história do século 20”?

Prof Luciano Mannarino

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s